sexta-feira, 2 de abril de 2010

Minh'alma no Cimo da Cratera Lunar


Ah, os cordiais elementais
Avistaram-me amarulento
Nos orvalhos saturnais
Correndo contra o tempo

Antanho era a vida
Mas não é morte em vosso colóquio
Era estrada comprida
Mas é findo o ponteiro do relógio

Mas não morri
Minh'alma alumbrada e não mais vulgar
Reside bem ali
No cimo da cratera lunar

Nenhum comentário:

Postar um comentário