sexta-feira, 11 de junho de 2010

Jardim Psicodélico


Vermelho é a cor do nosso suor
Cheio de sangue
E negro é o passado que nos marca
Mas não faz mal
Sangrar se for em prol da liberdade
Pois do prisma extrairei apenas
Cores quentes e belas
E do arco-íris da vida
Farei o meu caminho errante
Uma flor vermelha
Pode ser tudo menos vermelha
Assim como o destino
A aparência é apenas a cor não absorvida
Muita luz no caminho
Acaba nos cegando
É sempre bom o equilíbrio
Entre a luz e a escuridão
Sinto-me atormentado
Pelo branco da vida
O branco que não é a paz
Mas o vazio de cada dia
Então que fique tudo verde
Como as plantas do meu jardim psicodélico
Onde estou deslizando no meu arco-íris
Sempre viajando
Sempre viajando

Um comentário: